Relação Cintura/Quadril e Saúde Cardiovascular

A Antropometria é a medida das dimensões corpóreas. As medidas antropométricas auxiliam o nutricionista no diagnóstico do estado nutricional do indivíduo e colabora para o rastreamento dos fatores de risco das doenças crônicas, principalmente as relacionadas ao sistema cardiovascular.

A Organização Mundial de Saúde indica o uso da antropometria para a vigilância dos fatores de risco das doenças crônicas. Além do peso e da altura, recomenda a medida da cintura e do quadril como forma de avaliar a deposição da gordura abdominal. Esses parâmetros antropométricos têm a vantagem de apresentar fácil mensuração e obtenção a baixo custo, podendo ser utilizados tanto na saúde pública quanto na clínica.

Muitos estudos já apontaram a relação Cintura/Quadril como a medida com melhor capacidade preditiva de hipertensão arterial, o que evidencia a importância de sua utilização na discriminação de indivíduos em risco de doenças crônicas, como a hipertensão arterial.

Mas porque considerar a medida do abdômen/cintura?

Diferente da gordura subcutânea (que é a gordura abaixo da pele), a gordura visceral está localizada atrás dos músculos, acomodada junto aos órgãos abdominais, tem aparência de “gordura dura” como se fosse uma bola. Caracteriza a obesidade em formato de “maçã”. Conhecida como a “barriga de cerveja”, embora presente até mesmo em quem não use bebida alcoólica.

É um tipo de gordura mais frequente em homens do que em mulheres, por conta das condições hormonais. São células maiores, que se multiplicam pouco, mas são mais ativas e afetam o metabolismo. É um tipo de gordura que afeta negativamente a saúde, pois além de aumentar inflamação nos órgãos ela ainda reduz a quantidade de um hormônio (adiponectina) essencial para a queima de gordura e que acelera o metabolismo.

Portanto, esse tipo de gordura está associado ao aumento de doenças cardiovasculares, aumento da insulina e da glicemia, hipertensão e síndrome metabólica. Por isso que seu excesso é um fator de risco ainda maior do que a gordura subcutânea. 

Esta gordura visceral vem de um aumento gradativo e em decorrência de hábitos de vida inadequados como sedentarismo, alimentação com excessos, álcool e cigarro. Portanto, para se reverter este quadro mudanças são necessárias.

DANIELA GENARO PULZATTO VERDINASSE

NUTRICIONISTA

CRN3 35.534