A IMPORTÂNCIA DA ENFERMAGEM NA CARDIOLOGIA

As doenças cardiovasculares têm se apresentado, nas últimas décadas, em proporções expressivas dentre as causas de morbidade e mortalidade, tanto nos países desenvolvidos como nos em desenvolvimento. No Brasil, as doenças cardiovasculares, tais como doença isquêmica cardíaca, doença cerebrovascular, hipertensão arterial sistêmica, insuficiência cardíaca congestiva e doença cardíaca reumática, são consideradas as responsáveis por cerca de 300 mil óbitos anuais entre a população adulta em idade produtiva, além dos idosos (LOTUFO, 1996; OMS, 2003).

 A morte súbita é a manifestação letal mais comum de doença cardíaca e estudos clínicos patológicos mencionam que pacientes com doença arterial coronariana, cardiomiopatias, arritmias cardíacas ou doença cardíaca hipertensiva possuem altos riscos de morrer subitamente (ZIPES, 1998).

O tratamento dessa doença pode ser clínico ou cirúrgico, tendo como objetivo restabelecer a capacidade funcional do coração, a fim de diminuir os sintomas e proporcionar ao indivíduo o retorno às suas atividades normais (GALDEANO; ROSSI; SANTOS; DANTAS, 2006).

 A cirurgia cardíaca é indicada quando existe uma estimativa de melhor qualidade de vida para os pacientes e é dividida em três tipos principais: as corretoras – como fechamento de canal arterial, de defeito de septo atrial e ventricular –, as reconstrutoras – como revascularização do miocárdio, plastia de valva aórtica, mitral ou tricúspide – e as substitutivas – como trocas valvares e transplantes. A cirurgia que mais ocorre é a reconstrutora na parte de revascularização do miocárdio que tem por objetivo aliviar a angina e preservar sua função (GALDEANO; ROSSI; NOBRE; IGNÁCIO, 2003).

Estudos demonstram que 90% dos pacientes após a revascularização têm uma melhora da função cardíaca, com redução da necessidade do uso de betabloqueadores e nitratos; e 60% apresentam eliminação de episódios anginosos, resultando, portanto, em uma melhora da qualidade de vida (IGLÉSIAS et al., 2001).

Outra cirurgia utilizada para o tratamento de doenças cardíacas é o uso do marca passo (MP). O MP é um condutor de energia externa utilizado para estimular o bombeamento sanguíneo do coração quando há distúrbios na formação ou transmissão do impulso elétrico derivado de bradiarritmias, insuficiência cardíaca, bloqueio atrioventricular e outras cardiopatias.

ENFERMEIRO : ANTÔNIO CARLOS DA SILVA DOS SANTOS – COREN : 370.822 SSP/SP

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE CARDIOVASCULAR

Tudo o que comemos afeta diretamente nosso sistema cardíaco, tanto positiva como negativamente e falar de saúde cardíaca e não falar de alimentação é quase impossível.

Alimentos ricos em sódio, como muitos alimentos industrializados, embutidos e temperos prontos, colaboram para a elevação da pressão arterial e devem ser evitados, principalmente por indivíduos hipertensos, doença muito comum na terceira idade.

Os alimentos ricos em gorduras trans, como margarinas, biscoitos recheados, sorvetes de massa, e o EXCESSO do consumo de gorduras saturadas presentes em alimentos de origem animal, como carnes por exemplo, ajudam na elevação do colesterol LDL (tido como colesterol “ruim”), que aumentam os riscos de eventos cardiovasculares, como infartos por exemplo, que representam grande parte dos problemas cardíacos em idosos.

Para proteger o coração é preciso uma alimentação balanceada, rica em alimentos que são fontes de gorduras boas, como o ômega 3 e o azeite. Deve-se consumir antioxidantes e antiinflamatórios, como as catequinas, flavonoides e vitaminas A, C e E, presentes em frutas, verduras, legumes variados, no chocolate 70%.

O consumo de fibras também é importante, pelo menos de 25 a 30g ao dia. Um bom exemplo é a aveia, que é fonte de betaglucana, uma fibra que auxilia no controle do colesterol. Para os idosos, uma ótima ideia para a inclusão da aveia é no preparo de mingaus e no acréscimo às frutas, como mamão e banana, por exemplo.

Lembre-se: alimentar-se bem é um ato de amor com sua saúde!

Daniela Genaro Pulzatto Verdinasse

Nutricionista

A importância dos exercícios físicos para o coração

Vocês já devem ter ouvido falar que é muito importante praticar atividades físicas, em todas idades. É o que todo mundo diz praticamente todos os dias. Mas você já perguntou o por quê?

Você sabe qual a relação do coração com os exercícios?

Se você tem mais de 50 anos e acha que “já passou o tempo” de começar a se exercitar, é hora de repensar. Não importa a idade quando o assunto é coração, pequenas mudanças de hábitos no seu dia a dia, ajudam manter o seu coração protegido e saudável por toda vida!

Exercícios físicos no geral, ajudam a manter nosso coração saudável, já que a prática facilita a remoção de mitocôndrias disfuncionais nas células cardíacas, promovendo, assim, a melhora da circulação, tornando as artérias mais eficientes para levar sangue para os diversos órgãos do organismo, evitando, assim, o aparecimento de doenças cardiovasculares.

Os exercícios são poderosíssimos também para quem busca um controle da pressão arterial, dados comprovados pela Sociedade Brasileira de hipertensão (SBH). Há também diminuição do percentual de gordura, que auxilia tanto nos níveis de colesterol, como nos níveis de glicemia no sangue.

Destacamos também que exercícios físicos bem orientados nos proporcionam uma sensação de bem estar, devido à cascata de eventos que ocorre no nosso organismo, fazendo com que tenhamos a liberação de hormônios que melhoram o nosso humor, nossa disposição, nosso sono, etc. Podemos citar também que por serem estimulados, nossos músculos se fortalecem, fazendo com que as nossas tarefas do dia a dia se tornem mais fáceis, diminuindo o risco de quedas e lesões.

Procure sempre um profisional qualificado e habilitado para ajudá-los a chegar nos seus objetivos, sejam eles estéticos ou de saúde.

Edward Emanuel Andrade Yamaguti

CREF: 123082-G/SP

Melhoria do sistema cardiorrespiratório através da fisioterapia

As doenças cardiovasculares estão entre as que mais causam mortalidade no mundo.  Por isso, é tão importante nos preocuparmos com as patologias do coração e procurar cuidar da saúde física e mental.

Pensando assim, aqui no Abrigo Vó Tereza, a fisioterapia desenvolve trabalhos com atividades para prevenção e ao tratamento das doenças cardíacas através de exercícios físicos, proporcionando uma série de benefícios como: melhora da capacidade funcional, redução de fatores de risco, redução de sintomas, melhora da qualidade de vida, dentre outros.

Em um primeiro momento é desenvolvido uma avaliação da capacidade e limitações de cada idosa para, em seguida, desenvolver o plano de tratamento. Os exercícios propostos seguem estes critérios de forma que o trabalho flua de maneira segura e eficiente.

Os principais órgãos do sistema cardiorrespiratório são o coração e o pulmão que trabalham conectados. A fisioterapia pode ajudar na reabilitação, melhorando a ventilação e oxigenação, facilitando a eliminação de secreções, aumentando a tolerância ao exercício e diminuindo as dores, o que proporciona mais funcionalidade nas atividades pessoais de cada idosa.

A fisioterapia é importante tanto para aquelas idosas que tenham ou que já passaram por alguma doença cardiovascular, como também em casos onde elas necessitem passar por algum procedimento cirúrgico, trabalhando de maneira prévia para evitar intercorrências como trombose, parada cardíaca dentre outros.

A fisioterapia permite que as idosas retornem gradativamente e com qualidade às suas atividades básicas do cotidiano.

Doenças cardíacas X sentimento

As doenças psicossomáticas são causadas por problemas emocionais do indivíduo e representam a ligação direta entre a saúde emocional e a física. Para que haja um efetivo entendimento sobre o assunto segue o exposto.

Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em uma de suas pesquisas é possível afirmar que as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no Brasil

Em 1920, Freud, conhecido como pai da psicanálise, ciência que estuda o inconsciente humano, já descrevia como a mente humana produz enfermidade no corpo.

O ser humano é formado por níveis psicológico e cognitivo, que muito influenciam sobre as emoções, sendo que estas têm influência sobre o corpo humano como um todo. Do ponto de vista biológico, elas provocam modificações corporais e alteram funções como: o traçado eletroencefalográfico, a tensão muscular, a ativação do sistema nervoso e, também, certas secreções hormonais, como a adrenalina, a noradrenalina, a insulina e os corticosteroides, podendo conduzir a doenças psicossomáticas.

No âmbito social, as emoções desempenham papel de extrema relevância, influenciando nos aspectos, como a personalidade, as relações sociais, o desempenho profissional, a vida sexual, a ascensão em determinada carreira, ou seja, a própria maneira de viver dos seres humano

É válido dizer e ressaltar que sentir emoções não causam, necessariamente, doenças do coração, entretanto, as negativas podem ter correlação as estas enfermidades. Os principais emocionais negativos, ligados a estas doenças, são os transtornos de ansiedade, a raiva, o ódio e a tristeza, uma vez que geram uma carga extra de adrenalina que, por sua vez, é liberada no sangue pelo organismo, trazendo por consequência a concentração de adrenalina, ocasionando um aumento dos batimentos cardíacos, aumento da pressão arterial e, por fim, trazendo doenças.

Os principais objetivos na atuação do psicólogo é promover a adaptação do indivíduo ao processo de adoecimento, dando espaço para que o mesmo relate sobre sua emoções, criando, assim, estratégias junto ao indivíduo e sua família, para lidar com as  emocionais disruptivas, e versando e analisando se tais concorrem para o adoecimento ou não dessa pessoa. Somado a isso, o psicólogo irá ser um facilitador à compreensão da equipe e familiares quanto ao novo quadro apresentado, ou seja, a enfermidade.

Se comprovado que tal doença relaciona-se à psique do indivíduo, é necessário e recomendável que haja atuação de diferentes áreas de saúde, ou seja, uma interdisciplinar, para que haja um efetivo tratamento a quem necessita.

Em suma, conclui-se que as doenças cardiovasculares podem ser ou não influenciadas pelo sentimento que o indivíduo possui, devendo ser analisado em cada caso concreto; sendo que o mesmo deverá ser tratado de forma individual por uma equipe multidisciplinar.

Mara Ligia de Souza Verri

CRP 06/123825

Alzheimer: a importância da participação da família no tratamento da doença

21 de setembro é o Dia da Conscientização sobre a Doença de Alzheimer. A doença de Alzheimer é uma patologia crônico-degenerativa que tem atingido cada vez mais a população idosa e, geralmente, causa a deterioração cognitiva e de memória, comprometendo atividades comportamentais e psicológicas.

Nós do Abrigo Vó Tereza não poderíamos deixar passar essa data sem algo a dizer, pois temos aqui vários casos assim. Nossa conduta no tratamento psicológico para com nossas idosas consiste em proporcionar melhorias da qualidade de vida, da capacidade cognitiva, com ganhos para a memória em conhecimento, atenção, redução de sintomas depressivos e de ansiedade.

Pode-se ainda estimular as habilidades cognitivas preservadas, incentivar o convívio social e atividades de lazer, tão importantes, não só para as nossas idosas, como também para aqueles que são responsáveis pelo seu cuidado. Ao trabalhar esses dois âmbitos, idosa e família, temos uma ampla visão de todas as questões que permeiam a vida destas, a fim de criar estratégias importantes de atendimento.

Em um primeiro momento, através da família, podemos conhecer um pouco mais sobre aquela idosa, seu histórico de vida, preferências e teremos a maneira que ela pode e consegue se comunicar. É de extrema importância que familiares e cuidadores possam de alguma forma frequentar terapia, grupos de ajuda, para uma maior compreensão de todos os fatores que podem influenciar sua vida nesta nova condição.

Uma das maiores preocupações da psicologia é o adoecimento dos cuidadores e familiares, pois o que falta é informação sobre a doença. Os profissionais do Abrigo Vó Tereza estão sempre dispostos a esclarecer aos familiares qualquer tipo de dúvida em relação aos novos quadros clínicos de nossas idosas.

Mara Lígia S.Verri. Psicóloga (ILPI Abrigo Vó Tereza)

A prevenção do suicídio na terceira idade

Dia 10 setembro é Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, uma das principais causas de mortalidade no Brasil e no mundo. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a cada 40 segundos uma pessoa comete suicídio no mundo.

Geralmente, as perdas estão por trás do desejo de colocar fim à própria vida. Abrir mão da saúde, da autonomia e dos papéis ativos na sociedade, abrir mão de viver ao lado da família, por exemplo, são fatores que levam a pensar em não mais existir.

Ainda hoje se tem a ideia de que o idoso não se mata porque está no fim da vida. Porém, é preciso considerar que a terceira idade é um momento de vulnerabilidade.

A pessoa vai, aos poucos, perdendo a sua voz e o seu espaço, sua identidade e a depressão se torna um protagonista nessa situação. 

Como é na terceira idade que as pessoas sentem que não têm mais valor, que não tem mais nada para conquistar, o primeiro passo para prevenir o suicídio é provar o contrário. Para isso, é importante deixar o idoso ativo, em convívio com amigos, parentes e demais membros da sociedade.

Vale a pena estimular os momentos de lazer, as atividades em grupo e a participação em oficinas terapêuticas, exercícios físicos, eventos e sempre ter um olhar atento para terapias individuais. Entender o que o idoso gosta de fazer é essencial para encontrar aquilo que pode ocupar o seu dia e a sua mente de maneira positiva.

As pessoas na terceira idade precisam de afeto e motivação. Dar um abraço, conversar por algumas horas e até mesmo ouvir uma boa música que traga boas lembranças e carinho da família.

Nós do Abrigo Vó Tereza estamos perto para que nossas idosas continuem confiantes e tenham vida longa e saudável.

Mara Lígia Souza Verri.

CRP 06/123825

O que é Alzheimer, quais seus sintomas e tratamento?

O Alzheimer é um transtorno neurodegenerativo progressivo e fatal, que se manifesta pela deterioração cognitiva e da memória. Isso compromete progressivamente as atividades da vida diária.

Essa doença provoca uma variedade de sintomas neuropsiquiátricos e alterações comportamentais. Ela é a forma mais comum de demência neurodegenerativa em pessoas de idade.

Os sintomas mais comuns são os seguintes:

  • Perda de memória recente – o primeiro e mais característico sintoma da doença;
  • Perda da memória remota (de fatos mais antigos) com o agravamento da doença;
  • Irritabilidade;
  • Falhas na linguagem, como encontrar palavras para expressar ideias e sentimentos;
  • Prejuízo na capacidade de se orientar no tempo e espaço;
  • Repetição da mesma pergunta várias vezes;
  • Dificuldades para acompanhar conversações ou pensamentos complexos;

O tratamento é feito por meio de medicamentos que são capazes de minimizar os distúrbios da doença. Esses remédios devem ser prescritos por uma equipe médica.

O tratamento propicia ainda a estabilização do comprometimento cognitivo, do comportamento e da realização das atividades diárias, com o mínimo de efeitos adversos.

Não se conhece até o momento a causa do Alzheimer, mas existe a possibilidade de a doença ser geneticamente determinada. Ela surge quando o processo de certas proteínas do sistema nervoso central começa a dar errado.

Também não há uma forma específica de se prevenir a doença, mas médicos acreditam que manter a cabeça ativa e uma boa vida social, com bons hábitos e estilos, podem retardar ou até mesmo inibir a manifestação do Alzheimer.

Algumas atividades recomendadas para exercitar o cérebro são:

  • Estudar, ler, pensar;
  • Fazer exercícios de aritmética;
  • Jogos inteligentes;
  • Atividades em grupo.

A importância de se manter ativo na 3ª idade

Nós envelhecemos involuntariamente com o passar dos anos. Nesse processo, ocorre a perda gradual das habilidades motoras e o organismo tem, pouco a pouco, sua estrutura enfraquecida.
A boa notícia é que existe uma maneira de controlar a perda de força e massa muscular, bem como produzir hormônios e oferecer mais flexibilidade ao corpo para as tarefas do cotidiano.
O segredo para ter um envelhecimento saudável é simples: se manter ativo, praticando execícios físicos.
Os benefícios das atividades físicas na terceira idade são inúmeros.
A densidade óssea muscular, por exemplo, é impactada de forma positiva, evitando a osteoporose e sarcopenia. Também é possível observar avanços expressivos na questão do equilíbrio.
A mobilidade, flexibilidade e velocidade dos movimentos aumentam, da mesma forma que os reflexos e sentidos ficam mais apurados.
Os exercícios na terceira idade ainda reduzem as chances de doenças cardiovasculares e pulmonares, auxilia no controle de hipertensão e diabetes, e tornam mais saudáveis as taxas de glicose, triglicerídeos e colesterol.
Manter-se ativo melhora o estado de humor, diminui o risco de ansiedade e depressão e ajuda nas noites de sono reparador.

Fisioterapia é fundamental para a qualidade de vida na terceira idade

Fisioterapia é fundamental para a qualidade de vida na terceira idade

Com o passar dos anos, é natural que ocorram no corpo a perda da sensibilidade e do controle dos movimentos. Por isso, a fisioterapia na terceira idade é fundamental para que a pessoa envelheça com qualidade de vida.

Uma das coisas mais importantes da fisioterapia para idosos é a prevenção. Por exemplo: muitas dores e dificuldades no cotidiano das pessoas da terceira idade são causadas por posturas viciosas.

Por meio de alongamentos globais, fortalecimento da musculatura enfraquecida e trabalho de marcha, é possível melhorar a postura e preservar as articulações.

Em casos de dores nas regiões lombar e cervical, a fisioterapia desempenha importante função no tratamento analgésico e anti-inflamatório. Isso acontece porque a prática de atividades físicas libera endorfina, uma substância que ajuda a aliviar a dor e regula as emoções que promovem bem-estar.

Dessa forma, a pessoa que está na terceira idade fará menos uso de medicamentos e diminuirá as crises agudas dessas doenças.

A fisioterapia também melhora as patologias já existentes, como artrose e artrite. Além disso, essa atividade fortalece as estruturas óssea e muscular, ajuda na prevenção de danos causados por quedas, auxilia na coordenação motora e aumenta a força e o equilíbrio.